Incerto quanto ao destino de sua irmã, um menino entra no Limbo

Confere aí!

25/01/2016 Última edição em 25/01/2016 às 00:00:00

O que dizer de um jogo cuja arte é em preto e branco? Que tal fantástico? Essa é a palavra que me vem à cabeça quando penso em Limbo, um game que se destaca por sua simplicidade e, ao mesmo tempo, pela riqueza de detalhes que possui, exibidos em apenas duas cores diferentes. É um título independente que retrata a história de um menino que acorda no Limbo à procura de sua irmã. Criado pela Playdead Studios, está disponível para diferentes plataformas, incluindo Xbox 360, PlayStation 3 e PC.

Embora no começo pareça ser um título casual, logo somos surpreendidos pelo seu nível de dificuldade, que é cheio de armadilhas e outros obstáculos, colocados lá com a única intenção de fazer com que o personagem tenha uma morte trágica. Graças a isso, Limbo foi considerado um puzzle, onde o raciocínio é a habilidade mais importante que o jogador pode usar para sobreviver mediante os perigos que encontrará em seu caminho. 

Gameplay

A movimentação do personagem principal, assim como dos objetos que compõem o cenário como um todo, é de uma perfeição tão grande que só isso já bastaria para consquistar a admiração de qualquer pessoa que se aventure a jogar. Para tanto, foi utlizado a Box2D, uma biblioteca de física que traz recursos incríveis para simular movimentos. É realmente de impressionar quando vemos uma corda a balançar no ar, um barco flutuando sobre a água ou quando interagimos com o simples comando de pular. Limbo conta com poucos controles, trazendo uma jogabilidade bem fácil de dominar, sendo mais do que suficiente para suprir todas as necessidades do jogador durante a aventura. Combinando botões diferentes, é possível empurrar ou puxar coisas, correr, saltar e agarrar. 

Quanto ao estilo de jogo em particular, Limbo parece ficar entre o casual e o hardcore. Ele traz o clássico side scroller lateral combinado com o gênero plataforma. O efeito granulado, comum nos filmes antigos, foi acrescentado ao visual, formando, com os raios de luz que surgem do fundo da tela, uma arte única e bem construída. O cenário conta com várias camadas de profundidade, exibindo uma floresta sombria e vasta que deve ser explorada, além de possuir variações bem interessantes em seu level design. A ausência de música em boa parte do jogo contribui para causar no jogador aquela sensação de solidão, embora existam criaturas e outros seres animados que são encontrados ao longo da aventura.   

Quando os obstáculos da fase parecem não representar um grande desafio, adversários bem ameaçadores aparecem para complicar a vida do jogador, como uma aranha gigante. Nessas horas é que a inteligência deve imperar e encontrar uma solução que te ajude a se safar de situações como essa. Felizmente, o jogo é ambientado de tal maneira que permite que você use as armadilhas do próprio cenário ao seu favor. 

Limbo não só se destaca por sua arte monocromática e movimentos ricos, mas também, e principalmente, pelo fato de ser um jogo independente que possui o mesmo nível de sofisticação de um título AAA, tendo sido desenvolvido por uma equipe com menos de vinte pessoas e orçamento inferior ao usado pelas grandes produtoras. O mercado indie vem ganhando força nos últimos anos e tem feito o uso de plataformas como Steam e Xbox Live Arcade como meios de publicação para os seus jogos, onde conseguem adquirir uma boa visibilidade entre os jogadores. Limbo é um ótimo exemplo de casos assim, sendo uma ótima opção para quem busca diversão com um enredo misterioso. 




Comenta aí :)
Já possuo uma conta
Quero criar uma conta