O grande problema dos jogos de luta

O gênero de jogos de luta é um dos mais populares de toda a indústria dos games, porém, há um grande problema que assola os jogos desse estilo.

08/02/2021 Última edição em 04/03/2021 às 12:43:50

Desde que as máquinas de fliperama começaram a se popularizar, os games de luta foram ganhando cada vez mais atenção e, aos poucos, tornaram-se um dos gêneros mais famosos de toda a indústria de jogos. Desde os anos 80 até hoje, uma penca de games de luta são lançados todos os anos, alguns sendo parte de franquias já conhecidas e outros sendo completamente inéditos. A força desse tipo de jogo é impressionante, porém, há um grande problema que assola a grande maioria dos jogos de luta: o conteúdo adicional pago.

Grande parte dos jogos eletrônicos da atualidade sofrem com esse problema, que basicamente obriga o jogador a comprar mais coisas além do próprio jogo no caso dele querer aproveitar novos conteúdos daquele game. Porém, nos jogos de luta, esse problema já é bastante antigo e ainda mais grave. Quem não se lembra das várias versões de Street Fighter II? O tempo todo eram lançadas novas atualizações do jogo, que vinham custando um preço muito alto, como se fosse um jogo inédito. Tudo bem que naquela época não era possível fazer uma atualização gratuita pela Internet, mas é justamente por isso que os jogos costumavam ser lançados totalmente completos.

Hoje, é possível atualizar um game gratuitamente, trazendo novos conteúdos para o jogador que pagou pelo produto, porém, não é isso que as empresas costumam fazer. O conteúdo gratuito para o player costuma ser bem simples, enquanto novos personagens e até mais modos de jogo são vendidos separadamente. Alguns podem ser comprados individualmente, mas outros chegam ao absurdo de exigir que o jogador adquira uma nova versão do mesmo jogo, para assim poder acessar os novos conteúdos. É como se a indústria não tivesse avançado desde os anos 90, o que está longe de ser realidade.

Uma solução para esse problema são as versões Ultimate, que basicamente são o que há de mais atualizado e cheio de conteúdo em um jogo. Nessas versões, você paga um preço bem maior que no jogo base, mas garante acesso às futuras atualizações pagas do game. Ainda assim, algumas desenvolvedoras conseguiram formas de tirar mais dinheiro do jogador, mesmo que ele tenha comprado a versão mais cara do jogo. Um bom exemplo disso é Dragon Ball FighterZ, que deu ao jogador da versão mais cara bastante conteúdo no seu primeiro ano, porém, no ano seguinte, criou um novo pacote de expansão que garantiria conteúdo além do que está na edição ultimate, deixando o player que pagou 400R$ na versão mais cara, completamente de lado.

É claro que esse problema de expansão com preços absurdos e vários pacotes de expansão adicionais além do presente nas edições mais caras do jogo existem em todo tipo de game, porém, sinto que nos jogos de luta são onde isso mais pesa. Se você tem interesse em jogar competitivamente, terá que ficar sempre de olho nos pacotes que serão lançados, afinal, até mesmo o conteúdo disponível na versão mais cara do jogo pode não representar tudo que o game tem para oferecer. Se você comprou Mortal Kombat 11 no lançamento, provavelmente ficou feliz por ele ser vendido em apenas uma versão, mas logo deve ter se sentido mal por ter comprado o jogo, pois os desenvolvedores começaram a vender vários novos personagens separadamente.

E se você continuou no game, comprando seus novos personagens e se mantendo ativo, provavelmente se surpreendeu com a chegada da versão “Aftermath”, que trazia ainda mais conteúdo adicional para o game e novidades no modo história. Porém, mesmo que você tenha pago por essa expansão, ainda teve que lidar com o lançamento de Mortal Kombat 11 Ultimate, que trazia todo conteúdo lançado até então, além de mais novos personagens. Tudo bem que muitas das novidades desse “novo” jogo podem ser adquiridas separadamente, mas os preços são completamente absurdos, incentivando o jogador a comprar o mesmo game novamente. Nem mesmo um pacote de personagens pode resolver, afinal, apenas um desses não garante todos os personagens do jogo. Caso você queira isso, deverá comprar vários.

No geral, é como se o jogador que compra o game de luta no lançamento fosse um testador, mas que paga um preço cheio e, às vezes, até mais do que isso. Os jogos de luta rapidamente ficam ultrapassados e, um ou dois anos depois, acabam recebendo uma versão completa (como o Mortal Kombat 11 Ultimate). Para quem ainda não adquiriu um jogo, essas versões são um prato cheio, porém, para quem comprou o jogo anteriormente, essas novas versões só causam dor de cabeça. Um jogador que paga pelo game no lançamento terá que comprar personagens separadamente, novos expansões, alguns pacotes com conteúdo adicional e, quem sabe, até comprar todo o jogo mais uma vez, afinal, alguns games lançam novas versões com algum conteúdo que não pode ser comprado de forma isolada.

Então, toda vez que você estiver de olho em um jogo de luta, lembre-se que ele possivelmente lhe dará muita dor de cabeça. O ideal é esperar uma versão 100% completa ser lançada após o lançamento para que você não tenha que ficar pesquisando por pacotes de personagens, esperar algum determinado lutador ficar em promoção ou ter que recomprar o game. Hoje, nem mesmo as versões mais completas parecem realmente garantir todo conteúdo, pois se o game fizer sucesso, o estúdio dará um jeito de colocar coisas além do que você já garantiu ao comprar a edição mais cara do jogo. É realmente triste que o tempo onde nós desbloqueávamos conteúdo apenas jogando o game tenha passando; agora nossa batalha é contra os boletos, que são a ferramenta mais importante para que tenhamos um jogo com muito conteúdo.




1 comentário(s)
Já possuo uma conta
Quero criar uma conta
Joke
8 meses atrás
Show de bola o post Jota, realmente esse assunto é algo que vem acontecendo não só em jogos de luta, mas na indústria dos games em geral. Espero que essa prática fique cada vez mais na visão crítica dos gamers e que as empresas se toquem que não vale a pena seguir nisso