A Decepcionante Volta da MIBR

A volta de um dos maiores times do Counter-Strike brasileiro aconteceu com uma série de tropeços.

02/11/2020 Última edição em 02/11/2020 às 14:17:19

Em 2018, voltava à ativa um dos mais vitoriosos times de Counter-Strike 1.6 do Brasil, a  Made in Brazil, ou MIBR, equipe que foi campeã da ESWC de 2006, um dos campeonatos mais importante da época, e que encerrou suas atividades em 2012.

Agora, a MIBR voltou para o Counter-Strike Global Offensive (CS:GO) com uma line-up que tinha na época FalleN, coldzerafer  (no qual em 2016 e 2017 dominaram o competitivo de CS:GO), boltz e o norte-americano Stewie2K.

E essa volta foi comemorada por torcedores, não só pelo retorno do nome MIBR para o competitivo - mesmo estando na responsabilidade da Immortals, uma organização dos EUA -, mas também pelos melhores jogadores brasileiros voltarem a jogar com um time que representa o Brasil, não apenas na line-up.

Após algum tempo, boltz saiu da MIBR, dando lugar para mais um norte-americano, Tarik, que junto com Stewie2k, foram campeões do Major de Boston pela Cloud9, além do treinador servio YNk.

Com essa formação, a MIBR conseguiu seu único grande título após a volta, a ZOTAC Cup de 2018. Sem contar que, no final de 2018, por fer precisar fazer uma cirurgia no ouvido, a equipe contou com mais um norte-americano apenas na Blast Pro Series Lisboa 2018, fazendo com que torcedores alegassem que a equipe se transformou em Made in USA (MIUSA).

Já 2019 começou dando esperança para a torcida. Os dois norte-americanos e YNk saíram da equipe para a entrada de TACO felps, e zews como treinador, assim conseguindo refazer a equipe de 2017,que ganhou quase tudo que jogou. Tudo parecia muito bem, o primeiro campeonato seria o Major de Katowice 2019, mas acabou que o time parou nas semifinais.

Após o Major, as coisas começaram a desandar na WESG disputada na China. A equipe foi eliminada para a Windigo nas oitavas de finais, time sem muita relevância no CS:GO Mundial e na Blast Pro Series, que aconteceu em São Paulo. A MIBR perdeu todas as cinco partidas que disputou, ficando na última colocação do campeonato e os resultados continuaram piorando.

Com os péssimos resultados da equipe, felps foi trocado por Lucas1, mas os resultados não melhoraram e então coldzera decidiu sair do time antes do início do Major de Berlin 2019, fazendo com que seu treinador zews completasse o time por não ser mais permitido mudanças de jogadores. No Major, o MIBR foi eliminado com uma vitória e três derrotas. E após esse campeonato, veio a entrada de KNG para completar a equipe.

Mas novamente a mudança não surtiu efeito. O time continuava tendo resultados ruins e a equipe dispensou Lucas1 no final de 2019. Com isso, foram atrás de algo diferente do que tinham feito, contratando meyern, jogador argentino de 17 anos, que até então não tinha experiência fora da América do Sul.

No início do ano, a equipe tinha melhorado seus resultados, nada ainda do que era esperado, ainda mais com a chegada da pandemia e a regionalização das competições. Mesmo assim, a equipe chegou à final da Flashpoint, mas perdeu para a MAD Lions. E então o Major, que aconteceria no Rio, foi adiado para o final do ano, dando assim maior tempo de o time se organizar.

Depois de não ter os resultados esperados, meyern foi mais um dispensado e levando TRK para equipe, que voltou a ser 100% brasileira. Zews também acabou deixando a equipe, fazendo que dead, seu manager, assumisse como treinador, acumulando os dois cargos. A saída do argentino foi com a justificativa de melhorar a comunicação entre o time e a ida ao Major do Rio, já estava sendo questionada depois de ter tantas trocas.

Mas como tudo que está ruim consegue piorar, um árbitro da ESL (empresa que promove campeonatos), denunciou dead de se aproveitar de um bug dentro do jogo para conseguir vantagens e passar informações dos adversários para sua equipe. Dead sofreu punição de seis meses da Valve e foi dispensado da equipe, junto a TACO e fer. E para completar, FalleN resolveu ir para a reserva após as mudanças na equipe, restando KNG e trk na MIBR.

Enquanto a continuação do time sofria questionamentos, mesmo com a organização indicando que iria encontrar novos jogadores para os compromissos agendados, surgiam uma ideia sobre um “Last Dance” com os cinco jogadores, que conquistaram dois Major, só faltavam coldzeira, jogando na FaZe Clan, e fnx, que passou pela antiga MIBR, jogou nos dois títulos de Major brasileiro e está jogando na Imperial. Mas isso até o momento não passa de desejo dos torcedores.

Enquanto os três jogadores que se juntaram a trk e KNG não era anunciados, foram colocados videos nas redes sociais da MIBR com sua história no CS 1.6, mostrando para quem não conhecia o que era a MIBR naquela época, e assim trouxeram seu ex-jogador Cogu, mas agora como treinador.

E no sábado (24 de outubro), foram anunciados leo_drk, vsm e a volta de LUCAS para a nova equipe do MIBR, no qual já têm um compromisso na segunda (2 de novembro), na BLAST Premier Fall Series, jogando contra a Astralis. Mas esse time pode não ser o definitivo, já que vsm têm um banimento da Valve, na qual o impede de jogar Major.

Roque Marques da SporTV disse que, por falta de planejamento do time, apostaram no hype dos jogadores escolhidos, pois as competições que já estavam planejadas estavam chegando e essa estratégia deu certo.

É possível que essa equipe tenha um bom desempenho com o passar do tempo, mas uma questão com vsm pode forçar uma nova reformulação no MIBR. Contudo, o próximo campeonato para a equipe brasileira talvez não possa ser tão bom, por conta do nível alto das equipes que estarão e o pouco tempo que os jogadores estão juntos.




Comenta aí :)
Já possuo uma conta
Quero criar uma conta