Que a polêmica comece!

E vamos falar de polêmica? Você é contra ou a favor da alteração do personagem Shun, de masculino para feminino? Aqui é a Layla Boy e eu estou invadindo a Blast para dar a minha opinião! Vem com a Blast que a gente conta tudo para você!

11/12/2018 Última edição em 12/12/2018 às 08:39:45

E vamos falar de um fenômeno da animação que trouxe ao Ocidente todo o encantamento que as animações japonesas possuem, fazendo cair no gosto de muitos o jeito e a filosofia que os animes possuem.

Os Cavaleiros do Zodíaco (Saint Seiya) vira e mexe estão em voga, primeiro porque, além das temporadas clássicas que conhecemos, temos ainda diversas outras vertentes, desde Saint Seiya: Episódio G até Saint Seiya: Shô. Ou seja, tem para todos os gostos.

(música para começar)

Mas eu vim aqui falar sobre a polêmica que a Netflix resolveu criar: o nosso amado SHUN será mulher na próxima série.

Vou deixar o link aqui de outra matéria feita justamente sobre as polêmicas trazidas sobre o tema: http://redeblast.com/post/cdz-da-netflix-mudancas-que-ninguem-queria 

Primeiro vamos falar sobre o SHUN antigo, ok?

O Shun original dos Cavaleiros do Zodíaco, é representado por um personagem masculino e é o Cavaleiro de Andrômeda. Ele é um Cavaleiro que utiliza uma das armaduras de bronze mais poderosas, porém, por ter uma alma pura (entenda: aquela pessoa que acredita no melhor das outras pessoas), temperamento calmo e que raramente utiliza todas as habilidades que sua armadura oferece. Shun tem um irmão que é mais velho e sempre o defendeu das adversidades, por motivo óbvio, isso fez com que o caráter de Shun fosse mais dependente e, muitas vezes, visto como fraco justamente por aceitar as ajudas que seu irmão (Ikki) sempre ofereceu.

Erra, porém, aquele que julga que Shun é um personagem fraco, pelo contrário, sempre foi um personagem forte e determinado, mas a personalidade acabou sendo mitigada em decorrência da presença quase que absoluta do seu irmão Ikki, que é muito mais carismático.

Alguns especulam que Shun é homossexual. Quanto a isso, esta informação nunca foi divulgada por nenhuma fonte formal, de maneira que a sexualidade dele não é definida de maneira concreta e não pode ser "suposta". O que se pode dizer é que Shun tem uma personalidade muito mais pacífica.

Por outro lado, os roteiristas da nova série de Cavaleiros do Zodíaco da Netflix, resolveram de forma arriscada, declarar que o personagem de SHUN será feminino. A polêmica está aí: por que escolheram SHUN? Por que vão colocar uma mulher como Cavaleiro? No original, mulheres não se tornavam cavaleiros, então por que agora vai mudar?

Antes de nossas opiniões singelas, cabe aqui dizer que em resposta a diversas perguntas que vem recebendo sobre o fato, o roteirista Eugene Son falou sobre a mudança em seu Twitter:

Quando começamos a desenvolver essa nova série, queríamos mudar muito pouco. Os principais conceitos de Saint Seiya que a fizeram ser amada continuam fortes. A maioria deles se mantém firmes mesmo trinta anos depois.

A única coisa que me preocupava: os cavaleiros de bronze com o Pegasus são todos caras. A série sempre teve personagens mulheres fantásticas e fortes, e isso reflete no grande número de mulheres que são apaixonadas pelo mangá e pelo anime. Mas 30 anos atrás, um grupo de homens lutando para salvar o mundo sem nenhuma mulher por perto não era grande coisa. Esse era o padrão até então.

Hoje o mundo mudou. Garotos e garotas trabalhando lado a lado é o padrão. Nós somos acostumados a ver isso. Certo ou errado, o público pode interpretar uma equipe só de homens como nós tentando tomar um posicionamento sobre algo. 

Mas eu não queria criar uma nova personagem mulher que seria óbvia - especialmente se ela não fosse criada naturalmente, e não tivesse personalidade alguma além de 'ser a garota'.

A verdade é que a escolha de SHUN como personagem que se tornaria feminina não decorre apenas das questões de homossexualidade, ou de ser um personagem mais fragilizado ou feminino, ou ainda mais parecido com o que as pessoas realmente são, na verdade, decorre mais do ajuste da armadura e do conteúdo da história.

Se você quiser ser mais técnico observe a armadura de Shun. A armadura de Andrômeda é uma armadura feminina, tanto que você pode notar que quando Shun está usando a armadura ela parece ter ajustes para “seios” (note no desenho abaixo). É óbvio que assim o seria.

Andrômeda é considerada uma mulher na mitologia grega, aliás, se você não conhece a história de Andrômeda cabe aqui contar: diz a lenda que a mãe de Andrômeda, Cassiopéia, disse a filha que ela era mais bonita que as Nereidas (filhas do rei Nereu, que era protegido de Poseidon). Poseidon, para punir Cassiopéia pelo que ela havia falado resolveu inundar o planeta e enviar o monstro marinho Ceto (espécie de baleia) para devorar toda humanidade. O pai de Andrômeda, Cefeo, desesperado para apaziguar os mares, resolveu consultar o Ammon (oráculo de Zeus), que disse que só o sacrifício de Andrômeda acabaria com a destruição do planeta. Cefeo então acorrentou sua filha num rochedo para que Cetus a devorasse. Por sua vez, Perseu, filho de Zeus, derrota Cetus e salva Andrômeda, sua amada. Quando Andrômeda morreu, ela foi colocada por Athena entre as constelações do hemisfério norte, perto de Perseu, seu marido, e Cassiopéia, sua mãe. Por isso seu nome foi dado à maior galáxia próxima da Via Láctea.

Após um pouco de história grega, vamos dar continuidade.

A entidade que dá nome a armadura, portanto, não apenas é uma mulher, mas é uma mulher que sofreu por ser considerada bela, portanto, caracterizada pelo sexo feminino. Logo, nada mais adequado e certo que a armadura que possui tanta história (trágica inclusive) ganhe uma personagem mulher.

É certo que estão falando sobre machismo e feminismo, e o puro interesse comercial. Não se nega a existência de interesse comercial. Claro que colocar um personagem feminino no anime tem como intenção atrair o público feminino, que tem sido um grande consumidor de bens e serviços ligados a séries e animações, de maneira que agradar o público feminino é vital para a sustentação da série. Portanto, sim, de fato tem interesse comercial, e como não teria, já que a população feminina é maior que a masculina? Mas não se sustenta a alteração apenas pelo apelo comercial.

Vale destacar ainda que a dinâmica com Ikki fica ainda mais fluida, isto é, há muito mais atração e repulsão, um campo de tensão muito maior entre os irmãos, permitindo que se explore ainda mais o relacionamento que os liga.

O certo é que havia necessidade sim de se colocar um personagem feminino na trama e que integrasse o grupo, não sendo apenas a mocinha em perigo, como já temos, que é a Athena. Era preciso um personagem feminino que lutasse lado a lado com os demais cavaleiros, principalmente porque, com um mundo buscando igualdade social, seria bastante descompassado que não se aceitasse que uma garota pode ser um cavaleiro e lutar tão bem quanto um.

E então, vem aquela clara reclamação de que já existem as Amazonas. Vamos relembrar o que as amazonas são? São mulheres que abdicaram de sua vida comum para servir à deusa da sabedoria. Elas são servas de Athena e não suas defensoras. Outra questão é que as Amazonas de fato lutam nas legiões (exércitos) dos deuses, mas lhes é negado a possibilidade de serem da guarda pessoal dos deuses, o que claramente gera um cerceamento de direitos. Embora se formos pensar que este anime/mangá foi criado na década de 80 e 90, até que não foi nada mal a participação feminina. Um problema das amazonas é a necessidade por deixar o rosto oculto. É a negativa do “ser feminino”, do direito da mulher ser e mostrar aquilo que ela é. Portanto, um desbalanceamento que está sendo corrigido.

Claro que escolher um personagem tão vitimizado como o Shun para se tornar um personagem feminino traria furor aos fãs, isso era óbvio que aconteceria, e provavelmente esperado (em decorrência da propaganda que isso gerou ao redor da série), mas é correto dizer que a escolha de colocar um personagem feminino no grupo foi acertada e isso poderia ter sido feito com qualquer um dos outros personagens principais.

Ademais, observa-se que não é o rosa da armadura que ensejou o interesse na troca, principalmente porque não se pode dizer que cores são relevantes para diferenciação de sexo no respectivo anime/mangá. Não foi o jeito mais frágil de Shun que levou a decisão a recair sobre ele. Mas foi a falta de um personagem feminino principal que estivesse acompanhando a aventura do grupo. Não seria o mais adequado colocar uma Amazona, pois o conceito é claro, Amazonas não compõem a guarda pessoal.

No mais, restou claro que não será alterada a base na qual foi construída a lenda dos Cavaleiros do Zodíaco, assim como não irá desrespeitar a série como um todo.

Você que não gostou da alteração, é justo que não goste, assim como é justo que outros entendam que a mudança é bem-vinda. Alterar um núcleo já fixado é bastante dramático e gera muitas dúvidas e receios, principalmente por parte dos fãs. Mas é certo que mudanças muitas vezes devem ser feitas, roteiros devem arriscar com a finalidade de sucesso e se for um fracasso, ao menos a experiência terá valido a pena.

Mas a verdade é que o mundo não é o mesmo de 30 anos atrás e é justo que se coloque uma mulher para lutar contra os inimigos e defender Athena. Por fim, quero lembrar que o Shun é um personagem de uma ficção, portanto ele não existe e discutir quem está certo ou errado não é tão relevante assim.




3 comentário(s)
Já possuo uma conta
Quero criar uma conta
Klaus Gill
3 meses atrás
Isso é um lixo, não se pode fazer isso com o classico Saint Seiya, isso foi uma afronta aos fãs, sinceramente isso foi um tiro no pé, quer dar visibilidade maior pra mulher faça com que os personagens femininos sejam mais relevantes na franquia, e não inventar uma desgraça dessa, a netflix ta querendo que a minoria seja os consumidores disso, porque vão falir se continuarem fazendo media com quem talvez nem compre esses pacotes, eu sou contra esse tipo de mudança, quer ter mulheres em animes faça um so com elas e não mude o que ja existe, esse povo da lacração é so pra ferrar com a vida da maioria, lixo lixo essa netflix.
Nobu
3 meses atrás
Não acho que vai agradar o público feminino a introdução de uma personagem femimina no lugar de um personagem clássico. Essa ânsia por "representatividade" não vem das mulheres em geral, e sim de pseudo-grupos de luta social, que aliás, para a minha alegria, não estão mais "cool" Acredito que a maioria das mulheres são conscientes da importância delas no mundo, e essa consciência é muito maior do que esse desejo de mostrar o valor feminino frente aos homens. Existem animes e desenhos voltados somente para mulheres, e o próprio fato da deusa atena ser uma mulher, poderia causar desconforto nos "homens", mas isso somente aconteceria caso houvesse um contraponto a esse discurso totalmente enviesado que a esquerda traz ao debate de valores...
A verdade é que essa mudança não foi positiva para a comunidade barulhenta, e isso é bom, afinal ela explicita que nunca houve a união em torno dos "direitos das minorias", e sim, uma hipocrisia generalizada em torno do tema "representatividade", onde todos fingem lutar pelo espaço do outro, mas que na verdade ninguém está disposto a ceder ou diminuir o seu próprio lugar para que isso possa acontecer.
Ashllan
3 meses atrás
Não me incomodei com a presença de uma personagem feminina no grupo principal. Mas sim ter que transformar esse grupo só para ter uma mulher. COm desculpa de que hoje temos um novo padrão de público, ou seja, as pessoas não apreciam a série, mas a série tenta atingir o máximo de pessoas como uma metralhadora giratória. O que me explica isso é mais uma visão comercial, para vender produtos do Shun fêmea, já que antigamente poucos queriam algum brinquedo vinculado a ele, comparando aos outros cavaleiros.
No caso de escolher um personagem com características ditas femininas, para uma "cirugia de troca de sexo", desvirtua o que é realmente o Shun, e as impressões que o personagem dele, por ser homem, transmite aos expectadores. Não é a mesma coisa um homem ser representado daquela forma, e com as cenas que ele participa, se diferenciando dos outros. A diferença dele sendo mulher, é que simplesmente a maioria vai achar normal, e nada fora do comum. Ou seja, não vai impactar em nada a Shun fêmea ser como ela é, se comparado ao Shun macho.
Um exemplo é a cena que o Ikki tem uma ilusão que compara a feição da Esmeralda com a de seu irmão Shun. O fato dele ser homem, traz muito mais caraminholas em nossa mente, para refletir sobre o porque dessa ilusão, do que simplesmente enxergar outra mulher, no caso sua irmã.
Claro que adaptações a mais deverão ser feitas para ter lógicas em muitas coisas. Pois é muito diferente uma garota não querer ser escolhida para treinar e lutar apra ser uma guerreira, do que um menino que foi convocado por ser homem. COmo se fosse um alistamento obrigatório, que ele queria ser dispensado, mas não foi.