A Copa do mundo não é do Brasil, mas quem se importa?

E a Copa do Mundo chega ao fim neste domingo dia 15/07/2018 e mais uma vez conheceremos o melhor do Mundo. Como já sabemos também, o Brasil não passou das quartas de final. Mas a verdade é que, não importa o quanto você não goste de futebol ou o quanto ache isso perda de tempo, o futebol traz para todos uma sensação de empolgação e ao mesmo tempo ansiedade. Quem não parou pelo menos alguns instantes para ver uma Seleção ou outra correndo atrás de um gol nos últimos minutos do acréscimo para poder avanças na competição? Quantas vezes ficamos nervosos com as cobranças de pênaltis, mesmo não torcendo para a Seleção em campo? Quantos bolões fizemos dos resultados da Copa. Mas esta foi a Copa das surpresas e nada mais justo do que falarmos um pouco disso!

14/07/2018 Última edição em 14/07/2018 às 16:04:31

Existe uma música brasileira que diz: "A Copa do Mundo é nossa, e com o Brasil não há quem possa".

De fato, não podemos negar que este ano o Brasil foi batido pela Bélgica. Mas apesar dos pesares, o Brasil ainda é o detentor de 5 grandes vitórias de Copa do Mundo, sendo o único a ser Pentacampeão mundial. O que isso significa? Na verdade não muita coisa, só que o brasileiro de alguma forma, de algum jeito, é o único no mundo que pode olhar diretamente para qualquer outro e dizer que no Brasil, mesmo com tantas dificuldades, ainda somos capazes de bater no peito e dizer que somos SUPERCAMPEÕES.

Se você for analisar a fundo, a probabilidade de uma Seleção do Mundo chegar a 5 finais e ganhar é baixa. E caso você não saiba, o Brasil é a única seleção que participou de todas as Copas do Mundo, não é para qualquer um, né?! 

Outra questão importante é não confundir política com futebol, são coisas que não estão nas mesmas categorias de classificação. Nada impede você de gostar de futebol e estar atento as questões políticas do seu país. Então, seja coerente e não queira dizer que o futebol está "distraindo" as pessoas. O que é certo, e sempre foi, é que o Brasil vive momentos de dificuldade política, o que não pode ser entendido como a impossibilidade de disputar um Mundial apenas porque não somos capazes de dissociar uma coisa da outra.

Confesso que torci muito pelo Brasil. Que os jogos eram assistidos com atenção. Que eu acreditava, sim, que a Seleção poderia ir longe. Mas confesso também que acredito que o melhor sempre deve avançar na competição e este ano o Brasil não estava no seu melhor.

Mas porque estamos falando disso tudo? Porque querermos falar de futebol... E existem muitos animes sobre futebol e é sobre isso que vamos falar hoje.

Então? Partiu marcar um gol de placa e deixar a "zaga no chinelo".

Supercampeões ou Captain Tsubasa

Este é com toda certeza um dos animes/mangás, mais antigos sobre futebol, na época em que o Brasil era o “bambambam” dos campos de futebol. Então realmente já faz um tempo. Para você ter uma noção ele faz menção ao “melhor time do Brasil”, que eram os “Brancos”, referência direta ao time do “São Paulo”. Mas vamos ao anime.

Oliver Tsubasa é um jovem que sonha ser um jogador de futebol, para ele a bola de futebol é sua “amiga” e ele é sempre muito otimista quanto aos resultados e a sua própria determinação. Iniciamos o anime já conhecendo Tsubasa como um grande jogador japonês de futebol em um time internacional, mas a história se passa em como ele conseguiu chegar tão longe.

Tsubasa recorda os seus momentos de infância durante a rivalidade entre os colégios Shutesu e Nankatsu, um clube de futebol fraco, mas que melhora bastante com a adição de Tsubasa. Conta como ele transformou uma rivalidade em uma amizade para sempre com o imbatível goleiro Benji Wakabaiashi.

Mais tarde Tsubasa conhece Carlos, e eles passam a serem conhecidos como "Dupla De Ouro", tendo excelentes resultados.

Mais tarde, a Federação Japonesa De Futebol, decidiu formar o "New Team", uma equipe dos sonhos, com destaque para Tsubasa, Carlos e Benji. É quando o trio conhece o imparável: Kojiro Huega jogador do "Meiva", um jogador vindo de origens pobres.

Vale destacar que o treinado de Tsubasa era um brasileiro conhecido como Roberto Maravilha, que também jogava pela Seleção do Brasil, que viria a aposentar-se do futebol profissional devido a problemas óticos.

Depois de terminar a escola, cada um destes jovens jogadores acabou saindo do país, alguns para Europa, mas Tsubasa veio para o Brasil, para aprender o estilo de jogo brasileiro, considerando pelos japoneses como o melhor de todos. Carlos Misaki foi jogar na França e Benji Wakabaiashi, na Alemanha.

Não demora muito e vemos surgir o Campeonato Mundial de Juniores de Futebol na França, onde o Japão venceu a Itália do goleiro imbatível Gino Ernando, a Argentina do fantástico Juan Días e do maravilhoso construtor de jogo, Pascal. Venceu, também, a seleção da casa, a França do artista do relvado, Pierre, e do goleador, Napoleão num jogo que terminou num empate, e que o Japão venceu nas grandes penalidades.

Na final o Japão venceu a Alemanha do fantástico goleador Shinaider, tornando-se Campeão do Mundo.

Parece muito, mas não é, a verdade é que Supercampeões tem uma história clássica que empolga: SUPERAÇÃO. Pois o futebol é movido por superações. É preciso superar o adversário, superar o cansaço, superar o placar, superar a lesão e ao final, superar suas próprias limitações.

O anime fez grande sucesso no mundo todo e foi exibido no Brasil pela antiga Rede Manchete e pelo Cartoon Network (que passou em looping). Lembrando que existem muitas temporadas, sendo elas conhecidas como: Captain Tsubasa J, Captain Tsubasa: Road to 2002 (o Brasil levou a copa neste ano – fomos Pentacampeões) e no ano de 2018 tivemos o Captain Tsubasa 2018, lembrando que o Japão chegou até as oitavas de final desta última copa.

O anime é empolgante, embora todos concordem que o campo possui quilômetros de distância, que uma cena demora as vezes um capítulo inteiro e que as vezes os nomes dos chutes são bizarros. Mas enfim, é necessário dizer que o anime é excelente e vale a pena acompanhar.

 

Hungry Hearts

Um anime que segue a determinação de Supercampeões é Hungry Hearts.

Kyosuke Kanou é um adolescente de 16 anos, estudante do Jyoyo Akanegaoka (Outeiro Laranja). Ele é o irmão caçula do principal jogador do AC Milan, Seisuke Kanou.

Kyosuke sempre gostou de jogar futebol, mas ao ser diversas vezes comparado pão seu irmão, resolveu parar de jogar, principalmente porque achava que não chegaria a ser como o irmão. Porém, contra sua vontade, foi escolhido para ser o treinador da equipe feminina do Outeiro, cuja capitã é Miki Tsujiwaki. Miki se torna uma grande amiga de Kyosuke.

Após um tempo, o garoto abandona o cargo na equipe feminina e junta-se aos também novatos Sakai e Rodrigo na busca por uma vaga na equipe titular masculina do Outeiro Laranja. A partir daí começa a trilha de Kyosuke para encontrar seu lugar no mundo do futebol sem a sombra do seu irmão mais velho. Kyosuke tem um chute impressionante, que é admirado por muitos jogadores, o “Chute Laranja”. Muitos acreditam que esse chute só pode ser utilizado quando Kyosuke quer muito ajudar o time.

Enfim, detalhes a parte, o anime mostra a determinação de um garoto de sair das sombras do seu irmão e buscar o seu lugar ao sol, mostrando suas qualidades, bem como seus defeitos, que ele tenta a todo momento melhorar.

Giant Killing

Tatsumi Takeshi, um técnico que é conhecido pelo pseudônimo "Giant Killing". Este termo é designado a um técnico ou time na Inglaterra quando está com equipes amadoras ou semi-amadoras e consegue avançar às finais de campeonatos nacionais deixando pelo caminho times profissionais.

A trajetória narra a história de Tatsumi Takeshi jogando e sendo treinador do East Tokyo United (ETU), time que já figurou entre os grandes time do país, mas que atualmente passa por uma crise financeira e de futebol. Focado em ajudar seu time do coração, Takeshi irá se mostrar um técnico nada convencional, fazendo brincadeiras com seu auxiliar Macchan e desestabilizando a zona de conforto de todos no clube.

 É um anime que mostra que o amor é parte do futebol e a fidelidade, um ideal.

E aí?

E ai? Você contínua não gostando de futebol? Então tenho mais um argumento.

Futebol é paixão. É preciso ter paixão para continuar e lutar para ser o melhor, sem medo de cair, sem medo de chorar e sem medo de se desafiar. Futebol é a coletividade, é o coração batendo a todo o instante, é estar diante do inimigo e não ter medo de ser quem se é, e demonstrar sua verdadeira face. Futebol, em ano de copa, é aquilo que une a todos.

Qual seu time? Qual seu anime de futebol preferido? Qual é a sua paixão?




1 comentário(s)
Já possuo uma conta
Quero criar uma conta
Snow
1 mês atrás
Boy, so uma errata, no comeco vc colocou a "A copa do mundo e nossa" na vdd o correto eh "A taça do mundo é nossa" pq as primeiras copas a taca nao era essa que agente tem hj era outra, (taça jules rimet) e o pais que conquista-se o tri-campeonato primeiro ganharia a taça por definitivo, e o Brasil foi a o pais a conquistar o tri primeiro ganhando assim a taça jules rimet, por isso fizeram essa musica quando o Brasil ganhou a copa de 70 no mexico! inclussive foi essa taça que foi roubada da CBF nos anos 80.